terça-feira, 11 de março de 2014

A turística Serra Negra ignora o turismo







Em pouco menos de um mês de residência em Serra Negra já deu para perceber o quanto o potencial turístico da cidade é subaproveitado.
O Carnaval levou à estância hidromineral, localizada a 150 km de São Paulo, cerca de 100 mil pessoas, segundo as autoridades municipais.
O número parece bastante exagerado, mas a cidade lotou nos dias da festa, que, como no ano passado, teve atrações para todo tipo de público: marchinhas e sambas na praça central, axé e outros ritmos "jovens" no recinto de exposições, o antigo Casco de Ouro, desfiles de escolas de samba e blocos na Avenida Laudo Natel.
Tudo sem confusões, sem brigas, bem família, em alto astral.
E sem nenhuma publicidade, nenhum marketing.
Para um comerciante estabelecido na Avenida Laudo Natel, onde se concentra a maioria dos bares e restaurantes da cidade, o número de turistas poderia ser bem maior no Carnaval e em outros feriados se a administração municipal se esforçasse só um pouco para divulgar a estância.
"Serra Negra recebeu a seleção brasileira de futebol duas vezes, na preparação para as copas do mundo de 62 e 66. Para esta, ninguém foi capaz sequer de citar esse fato para a imprensa", disse o comerciante, para exemplificar o pouco caso dos governantes com o setor de turismo - justamente o que sustenta economicamente o município.
"O nosso secretário de Turismo nem de Serra Negra é: ele é de Bragança Paulista, mora lá, vem três vezes por semana para a cidade, fica aqui três horas e vai embora", reclama.
O prefeito de Serra Negra, um senhor octogenário apelidado de Bimbo, é ligado à família Chedid, que exerce enorme influência política e econômica em várias cidades do interior de São Paulo, com negócios variados, entre os quais o mais notório é o controle de várias empresas de ônibus municipais e intermunicipais. 
O líder da família, Jesus Chedid, mereceu um verbete na Wikipédia. Embora sucinto, dá uma boa ideia do personagem:
"Jesus Abi Chedid é um político brasileiro. Foi diversas vezes eleito vereador e prefeito de Bragança Paulista.
Jesus é filho do político Hafiz Abi Chedid e de Saada Nader Abi Chedid, que emigraram para o Brasil em 1938, a bordo do transatlântico italiano 'Oceania'. É também irmão do também ex-prefeito Nabi Abi Chedid, contra quem disputou uma eleição municipal em 2000, pai dos deputados Edmir Chedid e Elmir Chedid, além de tio do deputado Marquinho Chedid.
Eleito prefeito de Bragança Paulista em 2000 com 24.617 votos. Foi reeleito em 2004 com 30.596 votos.
Em setembro de 2005 teve seu mandato cassado (junto com o vice Amauri Sodré da Silva) pelo Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo por auto-promoção através de programas de televisão custeados com recursos públicos. Em 2007 a cassação foi mantida com unanimidade no julgamento do recurso em que os acusados pediam reforma da decisão."
Segundo moradores que conhecem a política local, a oposição aos Chedid é praticamente inexistente e por isso Serra Negra estagnou econômica e socialmente nos últimos anos: afinal, para que mudar o status quo se ele é extremamente benéfico ao grupo que detém o poder?
O descaso da administração com o turismo é facilmente percebido pela sujeira acumulada em locais que deveriam ser atrações para os visitantes, como na bonita Praça Sesquicentenário, um dos cartões postais da cidade, e no Parque das Fontes, bem atrás da Prefeitura: a Concha Acústica, que deveria ser palco de apresentações artísticas virou um mictório fedorento, o bosque na encosta, um depósito de lixo; a trilha para caminhada está ocupada por buracos e formigueiros; não há mais vestígio do espelho d'água; e o mirante, no alto do morro, só é atrativo para aventureiros que queiram desafiar o perigo (veja as fotos acima).
"Sempre que a gente reclama da falta de um calendário de atrações para chamar o turista para a cidade as autoridades dizem que não há dinheiro para isso", diz o comerciante da Avenida Laudo Natel. "O que falta, na verdade, é criatividade. Dá para fazer muita coisa, é só ir atrás do que oferecem os governos estadual e federal nessa área. Mas para isso é preciso trabalhar - e do trabalho eles fogem."

3 comentários:

  1. Eu preferia que a cidade continuasse assim, sem essa manada de desordeiros detonando a região! D'us me livre!!!

    ResponderExcluir
  2. Comerciante de Serra Negra25 de março de 2014 12:34

    Bem colocado esta postagem...mas poderia fazer mais desse tipo, aprofundando sobre a gestão atual e principalmente com o 'elefante branco' da cidade que está parado.
    Soube que o Edmir Chedid é quem controla os ônibus na região, ele é um dos "Secretário Municipal de Transportes de São Paulo" e na região só entra busão dele. NÃO ENTRA OUTRO!
    O pessoal do turismo não faz turismo, parece fazer Lobby (Brasil).
    Ninguém quer realmente trabalho, apenas ser pavão (aparecer nas custas dos outros também), principalmente o secretário e equipe - além desse prefeito que está levando a cidade com ele pra cova.
    Se levar em consideração, a lei de anteceder a propaganda política, ele (Edmir Chedid) já deveria ser retirado do cargo, pois onde há 'construção na estrada' há uma faixa com o nome dele bem legível, dizendo algo pela conquista ou outra faixa como se a população de uma determinada cidade estivesse agradecendo ele pela obra "Agradecemos ao dep. Edmir Chedid pela ...blá blá blá"...
    Até parece que o povo faria isso. Quem faz são os mercenários e puxa saco dele.
    Afinal, o povo é que serve essa turminha e não ele à nós.
    Povo de Serra Negra: se mova... sua cidade está na beira da cova já!

    ResponderExcluir
  3. materia para trabalho de escola

    ResponderExcluir