sábado, 1 de novembro de 2014

O Brasil precisa de uma oposição, não de golpistas

O pedido de auditoria no resultado da eleição presidencial não terá nenhum efeito prático.
É bem capaz de o TSE nem aceitar o pleito dos tucanos.
Não existe nenhuma evidência, nenhum indício de fraude na eleição.
Houve sim, várias tentativas patéticas dos tucanos de impedir a livre manifestação do eleitor - chegaram ao ponto de colar as teclas 1 e 3! Em Belo Horizonte, onde vota o candidato tucano, a boca de urna afrontou frontalmente a legislação.
Isso sem contar a capa mentirosa da revista Veja, usada livremente como panfleto eleitoral, a despeito da proibição da Justiça, e repercutida pelos jornalões e pela Globo.
E a notícia falsa da morte do doleiro dedo duro.

Se há motivos para queixas sobre a lisura do processo eleitoral elas devem partir da coligação liderada pelo PT.
A presidenta Dilma foi massacrada, enxovalhada, vítima de mentiras e calúnias durante todos os dias da campanha.
Na verdade, o que os tucanos querem agora, com esse pedido ao TSE, é simplesmente manter o clima de tensão no ar e dar uma satisfação aos seus eleitores mais exaltados, os 10% que pregam um golpe para impedir a posse da presidenta Dilma em seu novo mandato.
É mais um factoide, entre tantos que já criaram.
Serve para alimentar o noticiário de seu mais importante cabo eleitoral, a imprensa.
Em vez de tomar medidas patéticas como essa, a oposição faria muito melhor, para si e para o país, se analisasse os motivos de ter sido derrotada pela quarta vez seguida e cuidasse de preparar um projeto político, social e econômico alternativo para o Brasil.
Do jeito que se comporta, se insistir em desestabilizar a democracia brasileira, ela caminha, inexoravelmente, para mais uma derrota, não por culpa de fraudes ou algo semelhante, mas apenas pela sua arrogância, truculência e monumental incompetência.

2 comentários:

  1. 'Monumental incompetência.' Nunca vi uma definição tão precisa. Até fiquei com inveja.

    ResponderExcluir
  2. Monumental imbecilidade, principalmente.

    ResponderExcluir