domingo, 2 de junho de 2013

Russos de olho no submarino nuclear brasileiro


A intenção do Brasil de construir seu primeiro submarino nuclear repercute no exterior. O projeto é tocado há mais de uma década, mas foi o governo petista que, de fato, compreendeu a sua importância.
O site noticioso Voz da Rússia publicou uma extensa matéria sobre o assunto, algo revelador, já que os russos são o segundo maior exportador de armamentos do mundo, só atrás dos Estados Unidos, detêm desde a década de 50 a tecnologia de construção de submarinos nucleares, e certamente acompanham atentamente o desenvolvimento do projeto brasileiro.
O artigo está transcrito na íntegra a seguir:

O site informativo Lenta.ru publicou um grande artigo intitulado “Carnaval Atômico”, em que se constata que a construção de um submarino atômico ajudará o Brasil a elevar a sua economia. Quando se soube que na cidade de Itaguaí, Estado do Rio de Janeiro, foi criado um estaleiro de construção de submarinos, os peritos indagaram: contra quem e em prol de que pretende lutar o país mais bem-sucedido da América Latina? 
A direção do Brasil e os representantes dos círculos militares do país declararam reiteradas vezes que a frota de submarinos será utilizada exclusivamente a fim de defender as reservas submarinas de petróleo do país e as plataformas de pesquisa, destinadas a ampliar ainda mais estas reservas.
Na cerimônia de inauguração do estaleiro de Itaguaí a presidente Dilma Rousseff chamou a atenção para o fato de que esta arma será utilizada exclusivamente a fim de manter a paz. "Eu gostaria de louvar um fato que é muito importante: uma indústria de defesa, como disse o ministro Celso [Amorim, da Defesa], é uma indústria da paz. Mas eu acho que a indústria da defesa é, sobretudo, a indústria do conhecimento. Aqui se produz tecnologia, aqui tem também um poder imenso de difundir tecnologia. É isso que nos outros países a indústria de defesa faz. Nós somos uma nação muito característica. Nós somos um país continental, nós vivemos em profunda paz com todos os nossos vizinhos. Nós somos uma região do mundo que não faz disputas bélicas, não tem conflitos e, sobretudo, uma região pacífica. Todos nós temos consciência, no entanto, que o mundo é um mundo complexo. O Brasil assumiu, nos últimos anos, uma grande relevância. Um país como o Brasil tem esse mérito de ser um país pacífico. Isso não nos livra de termos uma indústria da defesa e temos toda uma contribuição a dar na garantia da nossa soberania, e nos inserirmos cada vez de forma mais pacífica e dissuasória preventivamente no cenário internacional." 
O projeto de criação do submarino atômico próprio - atualmente em fase de desenvolvimento no Brasil -, permitirá a este país atingir um novo nível geopolítico. O Brasil está convencido de que a criação do submarino atômico próprio permitirá tornar mais próximo o objetivo almejado – ser membro permanente do Conselho de Segurança da ONU. 
Foi isso que a presidente Rousseff anunciou com orgulho. "Nós podemos dizer, com orgulho, que essa obra, ela é produto da iniciativa de várias, de múltiplas instituições privadas e públicas. Podemos dizer que, de fato, com ela nós entramos no seleto grupo que é aquele dos integrantes do Conselho de Segurança das Nações Unidas - únicas nações que têm acesso ao submarino nuclear: Estados Unidos, China, França, Inglaterra e Rússia." 
O Brasil será o sétimo país do mundo possuidor de submarinos atômicos. O plano de criação destes submarinos foi anunciado ainda em 2008. Foi resolvido, afinal, construir cinco novos submarinos, cada um dos quais irá custar 565 milhões de dólares. Um dos navios terá um reator atômico. Os militares brasileiros afirmam que os submarinos serão utilizados exclusivamente para defender as reservas submarinas de petróleo e as plataformas de pesquisas, destinadas a ampliar estas reservas.
O perito militar Viktor Litovkin assevera que o Brasil olha dezenas de anos à frente. Existem duas regiões de interesses brasileiros – na África, onde são possíveis colisões políticas com os países europeus e com a China, e, hipoteticamente, na Antártida. 
"O Brasil, um país de economia emergente e de crescente potencial militar, faz desta maneira um requerimento para o futuro, demanda o seu direito de participar da geopolítica em pé de igualdade com outros jogadores mundiais” diz. 
Não se pode subestimar as ambições do Brasil, que demanda o papel de uma superpotência regional. De acordo com a Estratégia de Defesa Nacional do Brasil, o submarino atômico deve surgir em 2013. Já foram dados passos preliminares em direção a este objetivo: no país foi criada uma empresa que irá produzir hexafluoreto de urânio, começou o desenvolvimento do projeto do sistema de propulsão nuclear, foi criado um estaleiro e realiza-se a preparação de quadros de operadores de reatores nucleares. 
Na realidade, o Brasil pode repetir o êxito da companhia aeronáutica Embraer, - mas desta vez no mar. Apesar da ausência de razões militares para a realização do projeto de criação da frota submarina, ele não deixa de ter bases políticas e econômicas.


8 comentários:

  1. muito bem deixe-nos crescer em paz
    isso é oque quer dizer esse submarino nuclear

    ResponderExcluir
  2. o Brasil faz muito bem em se preparar, pois tem muita gente de olho em nosso pais,

    ResponderExcluir
  3. Luiz Fernando Coelho 17 de agosto de 201317 de agosto de 2013 11:36

    O brasil ja era pra ter feito isso à muito tempo

    ResponderExcluir
  4. Luiz Fernando Coelho 17 de agosto de 201317 de agosto de 2013 11:39

    O Brasil demorou a tomar esta atitude! Parabens.

    ResponderExcluir
  5. os estados unidos vem atrazando o brasil a mais de 100 anos nao e coicidencia que todos os paises ricos temham a bomba atomica e arias usinas nucleares e ficam colocando medo falando que e perigoso para o pais nao avanssar nesta tecnologia

    ResponderExcluir
  6. o projeto do foguete brasileiro foi sabotado pelos americanos

    ResponderExcluir